Mercado imobiliário

Cobertura em Nova York é vendida por quase R$ 800 milhões, a mais cara desde 2022; veja fotos

Penthouse no Aman New York estabelece recorde de venda em Manhattan, destacando o apetite por imóveis de luxo

Cobertura foi vendida por quase R$ 800 milhões em Mannhathan.

Cobertura foi vendida por quase R$ 800 milhões em Mannhathan.

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 10 de julho de 2024 às 09h13.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 09h36.

Uma cobertura no Aman New York, nos Estados Unidos, foi vendida por US$ 135 milhões (R$ 731 milhões), tornando-se a casa mais cara comprada em Manhattan este ano. O apartamento de cinco andares, localizado no histórico Crown Building na Fifth Avenue, foi vendido como um espaço inacabado, que o comprador deve finalizar, conforme informou um porta-voz da desenvolvedora OKO Group. A transação para a unidade de aproximadamente 1.160 metros quadrados resulta em mais de R$ 54.200 por metro quadrado. As informações são da Bloomberg.

Essa venda supera a compra de um apartamento por US$ 115 milhões (R$ 839 milhões) em junho na Central Park Tower, próxima dali. Também é a venda mais cara em Manhattan desde janeiro de 2022, quando uma entidade ligada aos cofundadores do Alibaba, Joe Tsai e Jack Ma, comprou uma unidade por US$ 188 milhões (R$ 1,01 bilhão) no 220 Central Park South.

Esses negócios recentes de nove dígitos sugerem que, mesmo com a queda no preço médio dos apartamentos vendidos em Manhattan em relação aos recordes anteriores, alguns compradores extremamente ricos ainda buscam imóveis luxuosos. A equipe interna de corretagem residencial da OKO Group conduziu a venda da cobertura, que foi concluída no final da semana passada. Um porta-voz do projeto não divulgou a identidade do comprador nem forneceu fotos da unidade.

Crescimento do mercado imobiliário

O mercado imobiliário de Nova York, um dos mais dinâmicos do mundo, tem passado por mudanças significativas desde a pandemia de Covid-19. Durante o auge da crise, a cidade viu uma queda considerável nos preços dos imóveis, especialmente em Manhattan, à medida que muitas pessoas optaram por se mudar para áreas suburbanas ou outras regiões menos densamente povoadas.

No entanto, com o avanço da vacinação e a retomada das atividades econômicas, Nova York começou a ver um ressurgimento do interesse imobiliário. A demanda por imóveis de luxo, em particular, permaneceu robusta, impulsionada por investidores internacionais e compradores endinheirados em busca de propriedades exclusivas. Isso é refletido em vendas recordes como a da cobertura no Aman New York.

As transações de alto valor continuam a demonstrar a resiliência do mercado imobiliário de luxo de Nova York. Apesar da diminuição no preço médio dos apartamentos, as propriedades mais exclusivas e bem localizadas mantêm seu apelo. Investimentos em infraestrutura e desenvolvimento de novos empreendimentos, como o Crown Building, contribuem para revitalizar o mercado e atrair novos compradores.

Além disso, a pandemia também trouxe mudanças no perfil dos compradores e nas preferências por tipos de imóveis. Com a crescente adoção do home office, muitos procuram espaços maiores e com mais comodidades. Empreendimentos que oferecem uma gama de serviços, como hotéis, spas e centros de fitness integrados, estão em alta demanda, mostrando que o conceito de moradia de luxo está se expandindo para incluir uma experiência completa de estilo de vida.

Acompanhe tudo sobre:Mercado imobiliárioNova YorkEstados Unidos (EUA)Luxo

Mais de Mercado imobiliário

O que é código postal? Como descobrir o meu?

Repasse imobiliário: Como funciona?

Avenida São João: conheça melhor essa famosa avenida de São Paulo

Leilão de imóveis: plataforma disponibiliza opções a partir de R$ 2 mil e com descontos de até 96%

Mais na Exame