Casual

Antonio Forjaz, da Sportingbet, mostra a rotina multiesportiva de um executivo

O padel é apenas mais um esporte da lista de atividades físicas que Antonio Forjaz, head na América Latina da Sportingbet, pratica

Antonio Forjaz: as lições aprendidas nas quadras são levadas para o escritório da empresa de apostas.  (Leandro Fonseca/Exame)

Antonio Forjaz: as lições aprendidas nas quadras são levadas para o escritório da empresa de apostas. (Leandro Fonseca/Exame)

Júlia Storch
Júlia Storch

Repórter de Casual

Publicado em 22 de junho de 2024 às 10h26.

Futebol, corrida, ioga, musculação, tênis e padel são alguns dos esportes que Antonio Forjaz, head na América Latina da Sportingbet, pratica. Mas a lista de exercícios que o executivo português realiza é ainda maior, visto que novas atividades costumam ser acrescentadas à rotina. Atual­mente morando em São Paulo, Forjaz costuma começar o dia correndo no Parque Ibirapuera. O cenário anterior eram as orlas das praias do Rio de Janeiro, quando passou uma temporada na cidade. “Acho que São Paulo é muito mais divertida para quem quer se desafiar. É incrível a quantidade de grupos de corrida e tênis no parque”, diz.

Cada modalidade praticada por Forjaz pode ser associada a uma fase da vida do executivo. O tênis e o futebol apareceram ainda na infância, ao lado do irmão. Mais tarde Forjaz participou da 2a divisão catalã de futebol, em Barcelona. “Quando larguei o futebol conheci o rúgbi. Adorei. Foi o esporte que mais me impactou em termos de espírito de equipe, fiz grandes amigos”, diz. Anos mais tarde o executivo das apostas esportivas começou a se exercitar sozinho, com a corrida, atividade que pratica até hoje.

Além das pistas, Forjaz joga padel, esporte criado no final do século 19, quando passageiros de navios ingleses adaptaram o tênis para uma quadra fechada — afinal, se a bola saísse da quadra, provavelmente jamais seria recuperada. Para quem não é familiarizado com a modalidade, o esporte é uma combinação do tênis com o squash e consiste em duas duplas que usam raquetes específicas e uma bola semelhante à de tênis. A quadra tem paredes que servem para recolocar a bola no jogo. O piso é de grama sintética. Para Forjaz, não se trata de um jogo técnico, mas estratégico. “Você pode jogar com vidros ao redor. Não se trata de força. Mesmo quem nunca jogou acaba se divertindo na primeira partida. Ao contrário do tênis, que não diverte logo de cara.”

As lições aprendidas em quadra são levadas para o escritório, especialmente as experiências sobre competitividade e derrotas. “O esporte ensina a ter uma relação saudável com as derrotas. Perder mostra quais pontos precisam ser melhorados. Já o aspecto competitividade se aproxima de cargos de liderança. Motivar um jogador que está perdendo se assemelha a motivar um colaborador. Sem o esporte eu não conseguiria ter uma relação tão saudável com o meu trabalho. O exercício é a chave para a saúde mental e física.” Assim, o dia de Forjaz começa com uma corrida no parque ou com uma aula de padel, ou com ambos, em uma manhã mais tranquila. “Quando começo a trabalhar, entre 8 e 9 horas, eu já tratei de mim e fiz o que realmente importa na vida.”

Antes das apostas esportivas, Forjaz foi country manager do Amazon Prime Video Brasil e CRM no Grupo Globo, com foco no serviço de strea­ming Globoplay. Como CEO da Sportingbet, Forjaz está mais próximo de clubes e ligas. “Quero criar a sensação de que fazer apostas é enaltecer a experiência que os torcedores vivem com o esporte. Não quero que as pessoas pensem que as apostas são um modo de ganhar dinheiro”, diz. “Temos a responsabilidade de explicar o que é uma casa de apostas. Espero que o Sportingbet seja sempre um espaço de diversão e entretenimento. Esse sempre será o nosso tom”, conclui Forjaz sobre a empresa britânica fundada em 1998.

Em 2023, mais de 22 milhões de brasileiros fizeram pelo menos uma aposta, segundo o Raio X do Investidor Brasileiro, da Anbima. Segundo o BNL Data, as casas movimentaram 120 bilhões de reais, alta de 71% na comparação com estimativas de 2020. Atualmente a Sporting­bet é patrocinadora da ­Conmebol Sul-Americana e da Copa Libertadores da América.

O líder da empresa no Brasil ainda encontra espaço para outras atividades. “Adoraria esquiar, tenho coragem e força nas pernas, mas nas poucas vezes que pratiquei fui ultrapassado por garotas de 8 anos. Tenho a sensação de que preciso ser estimulado.” O desafio está posto.

Acompanhe tudo sobre:EsportesSaúde e boa forma

Mais de Casual

Temporada das trufas: 12 restaurantes em São Paulo para provar pratos com a iguaria

Marcas de beleza chinesas fecham as portas devido à forte concorrência

Smorgasburg: maior festival de comida de rua tem ingressos gratuitos

O segredo que a GM guarda e que deve mexer no mercado de carros no Brasil

Mais na Exame