Brasil

Aprovação de Lula volta a subir e chega a 54%, aponta Genial/Quaest

A desaprovação do trabalho do presidente caiu de 47% para 43%

A desaprovação do trabalho de Lula caiu de 47% para 43%, segundo Genial/Quaest (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

A desaprovação do trabalho de Lula caiu de 47% para 43%, segundo Genial/Quaest (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 10 de julho de 2024 às 08h05.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 14h52.

A aprovação do trabalho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mostrou recuperação e voltou a subir após duas quedas consecutivas no início de 2024, segundo a pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira, 10.

O percentual de brasileiros que aprovam o trabalho do presidente subiu de 50% para 54% neste mês de julho, enquanto a desaprovação caiu de 47% para 43%. Cerca de 4% não sabem ou não responderam sobre o governo do petista.

Com o resultado, Lula volta a ter a mesma aprovação registrada pelo levantamento em dezembro de 2023, antes das quedas registradas em fevereiro e maio. No último levantamento, a aprovação e desaprovação estavam empatadas tecnicamente.

Por que a aprovação de Lula subiu?

Segundo a pesquisa, a melhora da aprovação do presidente foi puxada pela população que ganha até dois salários mínimos, parcela na qual a aprovação subiu de 62% para 69% e a desaprovação recuou de 35% para 26%, e pelos entrevistados que têm entre 35 e 59 anos. Nessa faixa etária, 56% aprovam o trabalho do presidente (eram 50% em maio) e 41% desaprovam (48% em maio).

Entre as mulheres, o índice de aprovação oscilou positivamente de 54% para 57% e a desaprovação recuou de 44% para 39%. Na região Sudeste, a desaprovação recuou de 55% para 48%.

A avaliação geral do governo oscilou dentro da margem de erro e é hoje positiva para 36% (contra 33%) e negativa para 30% (contra 33%), enquanto 30% avaliam o governo como regular (eram 31% em maio).

Entrevistas de Lula

A Quaest perguntou a opinião dos eleitores sobre as entrevistas recentes de Lula a rádios, e constatou que 41% tomaram conhecimento e 59% não ouviram falar. A ampla maioria dos entrevistados concorda com as opiniões do presidente.

Para 90% o salário deve ser aumentado todo ano acima da inflação, 87% consideram muito altos os juros no Brasil, 84% consideram que as carnes consumidas pelos mais pobres deveriam ser isentas de impostos. Para 67% o governo não deve satisfação ao mercado, mas aos mais pobres, contra 29% que pensam o contrário.

Outro ponto de convergência entre as opiniões do presidente e o pensamento da população é a crítica à política de juros do Banco Central, que tem a concordância de 66% dos entrevistados e a discordância de 23%, enquanto 11% não sabem ou não responderam. A maioria, cerca de 53%, dos entrevistados não acredita que as falas do presidente tenham sido a principal razão da alta do dólar, contra 34% que responsabilizam Lula pela escalada da moeda americana e 13% que não sabem ou não responderam.

A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 8 de julho. Foram 2.000 entrevistas presenciais com eleitores de 16 anos ou mais. A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o índice de confiança é de 95%. 

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Ramagem diz que Bolsonaro autorizou gravação de reunião no Planalto sobre investigação de Flávio

Lira diz que investigação contra Ramagem é 'grave', mas indica não ver punição pelo Conselho

Veja transcrição e áudio da reunião entre Bolsonaro e Ramagem sobre investigação de Flávio

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

Mais na Exame