EXAME Agro

Apoio:

Logo TIM__313x500

Batata frita mais cara? Preço da batata sobe mais de 20% em maio; entenda

Escalada dos preços da batata pode ser atribuída à diminuição na oferta nacional, influenciada por fatores climáticos adversos

Tubérculo sobe quase 24% em Porto Alegre, quarto maior produtor nacional (nitrub/Thinkstock)

Tubérculo sobe quase 24% em Porto Alegre, quarto maior produtor nacional (nitrub/Thinkstock)

César H. S. Rezende
César H. S. Rezende

Repórter de agro e macroeconomia

Publicado em 11 de junho de 2024 às 11h09.

Dados divulgados nessa terça-feira, 11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam para um aumento de 20,61% nos preços da batata inglesa durante o mês de maio, contribuindo para uma elevação de 0,62% no grupo de Alimentação e Bebidas do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em uma análise regional, Porto Alegre, conhecida como o quarto maior produtor nacional do tubérculo, testemunhou um salto de 23,94% nos preços durante o mesmo período, levando o estado a alcançar a primeira posição no IPCA, com 0,87% de aumento em maio.

Menor oferta de batata

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, a escalada dos preços da batata no mês passado pode ser atribuída à diminuição na oferta nacional, influenciada por fatores climáticos adversos.

"As altas temperaturas e as chuvas irregulares durante o período de plantio e de desenvolvimento das lavouras do Paraná impactaram negativamente a fitossanidade e a produtividade das áreas colhidas nesse primeiro mês [...] As catástrofes climáticas no Rio Grande do Sul impediram o início da colheita de Ibiraiaras (RS) em maio, o que acentuou a escassez e valorização do tubérculo no mercado, destacou o relatório do Cepea.

Acompanhe tudo sobre:IPCAAgronegócioInflaçãoExame-Agro

Mais de EXAME Agro

Argentina: falta de chuvas afeta plantio do trigo e afasta possibilidade de safra recorde

Eventos agro: Confira a agenda para os próximos dias

CCIR 2024: prazo para emissão do documento termina nesta semana

Exportações do agro brasileiro crescem 5,60% no primeiro semestre de 2024 e batem novo recorde

Mais na Exame